Facebook

Notícias

26/12/2016 - MICROCRÉDITO SOFRE RECUO PELO SEGUNDO ANO CONSECUTIVO

Publicado em: 26/12/2016
Em tempos de crise, com aumento do desemprego, muitos brasileiros passaram a empreender por necessidade, ou seja, buscaram alternativas para geração de renda. Entretanto, o Microcrédito Produtivo Orientado (MPO) desacelerou este ano.
Segundo o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), de janeiro a junho foram atendidos 2,3 milhões donos de pequenos negócios e concedidos R$ 4,6 bilhões. Ao longo de 2015, o microcrédito havia contemplado 5,2 milhões de clientes com a liberação de R$ 11,1 bilhões. Na avaliação de Almir da Costa Pereira, presidente da Associação Brasileira de Entidades Operadoras de Microcrédito e Microfinanças (Abcred), a projeção para 2016 é de um resultado inferior ao registrado no ano passado. O volume ofertado já havia encolhido 4,6% em 2015 na comparação com 2014.
O cenário de pouca atividade e baixa confiança inibe a tomada de crédito. “Os microempreendedores atuam nos bairros onde vivem e sentem os efeitos do desemprego e da queda da renda. Isso desestimula”, comenta Pereira. Por outro lado, prevalece um clima de aversão a riscos pelas instituições financeiras e entidades que atuam no setor, que estão mais criteriosas nas avaliações dos clientes. Outro aspecto é que fontes de recursos (funding) não têm avançado, segundo o presidente da Abcred.
“Essa situação tem que mudar para que o microcrédito se torne mais representativo nos próximos anos”, afirma. Atualmente, as operações de microcrédito no Brasil correspondem a somente 0,2% do crédito total do sistema financeiro. O dinheiro para as operações dessa modalidade é proveniente do Fundo de Amparo ao Trabalhador, BNDES e de 2% dos depósitos compulsórios à vista junto ao Banco Central, a chamada exigibilidade. A despeito das dificuldades atuais, o segmento de microcrédito tem alto potencial, destaca Almir Pereira.
Para mudar essa realidade, o governo federal anunciou, este mês, no pacote de medidas para aquecer a economia brasileira que irá ampliar o limite de enquadramento das empresas no programa de Microcrédito Produtivo Orientado. O máximo do faturamento anual que é de R$ 120 mil passará para R$ 200 mil. O teto de cada operação aumentará de R$ 15 mil para R$ 21 mil.
Por enquanto, não há informações mais detalhadas sobre como se dará o incremento do funding. “Sabemos que a concorrência vai aumentar”, afirma Marcos Holanda, presidente do Banco do Nordeste (BNB). A instituição mantém o Crediamigo, o maior Programa de Microcrédito Produtivo Orientado da América do Sul. Ele defende que a porcentagem dos compulsórios destinada ao microcrédito aumente no país, superando os atuais 2%.
De janeiro a novembro, o Banco do Nordeste realizou 3,7 milhões de operações a dois milhões de empreendedores e os valores contratados somaram R$ 7,1 bilhões. O valor médio desses empréstimos foi de R$ 2,2 mil e as taxas de juros variaram de 1,5% a 2% ao mês. “Apesar do cenário adverso da economia, este ano, vamos nos aproximar do resultado de 2015, de R$ 8,1 bilhões”, afirma Holanda.
Em seu planejamento para 2017, o Banco do Nordeste trabalha para ampliar em 50% a sua base de clientes, isto é, chegar a três milhões. O foco será prestar atendimento nos Estados do Ceará, Bahia e Pernambuco, onde a demanda é elevada. “Temos um grande desafio operacional pela frente. Estamos investindo em tecnologias e em mais agentes”, diz Holanda.
O programa de microcrédito do Banco do Brasil (BB) desembolsou este ano, de janeiro ao início de dezembro, R$ 798 milhões em 352 mil operações. O tíquete médio dos financiamentos foi de R$ 2,3 mil e a taxa de 2,95% ao mês. De acordo com João Pinto Rabelo Júnior, diretor de governo do BB, em 2016 o valor de fechamento será menor do que o registrado em 2015, que foi de R$ 1,2 bilhão.
O executivo destaca que essa queda se deve à retração da economia. Diversos empreendedores, por necessidade, investiram recursos próprios, com receio de se endividar diante da demanda fraca. Outro movimento é que ao longo deste ano, 123 mil empreendedores, clientes do BB, conseguiram desenvolver suas atividades e migraram do microcrédito para outras linhas de financiamento, contratando valores maiores. Além da atuação por intermédio de agências, o BB atua no microcrédito por meio da parceria estratégica com a Movera desde 2015. “A Movera está ganhando velocidade após ter passado por uma fase de testes e ajustes”, afirma João Pinto Rabelo Júnior.
A estratégia é prestar atendimento à população não bancarizada. Por meio de uma conta pré¬paga, operada diretamente do celular, os empreendedores podem acessar o crédito, sem que precisem abrir uma conta corrente. A Movera já tem 18 unidades espalhadas pelo país, a maioria no Nordeste, e em 2016 desembolsou R$ 16,7 milhões em 13 mil operações. O valor médio dos empréstimos foi de R$ 1,3 mil e a taxa praticada é de 2,8% ao mês. A meta da Movera é atender 60 mil clientes em 2017.



Fonte: http://www.valor.com.br/financas/4811277/microcredito-sofre-recuo-pelo-segundo-ano-consecutivo




Copyright © 2012 - Direitos Resevados - abcred.org.br